notícias

08/07/2019 Pesquisas da FAPA são selecionadas como destaque em evento nacional de trigo

Mais uma vez, pesquisas da FAPA (Fundação Agrária de Pesquisa Agropecuária) foram escolhidas como destaques na 13ª Reunião da Comissão Brasileira de Pesquisa de Trigo e Triticale – principal evento científico voltado a essas culturas, e que este ano foi realizado em Passo Fundo (RS), entre os dias 2 e 4 de julho. O reconhecimento foi dado a um trabalho da equipe de trigo, aveia e oleaginosas, sob coordenação do pesquisador Juliano Luiz de Almeida, e a outro da equipe de entomologia, sob a coordenação do pesquisador Alfred Stoetzer, e apresentado pela assistente de entomologia Marielli Ruzicki.

Durante a reunião de trigo, são instaladas diversas subcomissões técnicas, nas quais se discutem os avanços tecnológicos da cadeia produtiva, com base em resultados científicos. O trabalho mais relevante de cada subcomissão é escolhido como destaque e depois reapresentado na plenária final do evento.

Na opinião de Juliano Almeida, o destaque recebido mostra a relevância do trabalho da FAPA no desenvolvimento de tecnologias de produção. “Este prêmio reconhece nossos esforços em conjunto com os cooperados e agrônomos da assistência técnica para desenvolver tecnologias com cultivos de cobertura que visam à sustentabilidade do nosso negócio no longo prazo”.

“Toda equipe de entomologia está muito feliz por esse reconhecimento em âmbito nacional”, afirmou Alfred Stoetzer. “Isso foi possível graças ao foco da equipe em desenvolver informações para os cooperados e para a Cooperativa. Esse reconhecimento vai ao encontro da missão e da visão da Agrária, de ser referência no segmento agrícola e agroindustrial. Isso mostra a importância que a FAPA e a Agrária possuem no desenvolvimento do agronegócio regional e nacional”.

Na plenária final, o presidente da 13ª Reunião da Comissão Brasileira de Pesquisa de Trigo e Triticale, André Cunha Rosa, destacou que o evento cumpriu com seus dois objetivos: fomentar discussões importantes e colocar em prática ações que possam refletir no aumento da média de produtividade e na rentabilidade de todos os elos da cadeia do trigo. “É inegável a contribuição da ciência nas últimas décadas. A Comissão promove essas trocas de informações, através do Fórum e da Reunião científica há mais de meio século, desde um tempo em que produtores almejavam colher 10 sacas por hectare. Cinquenta anos depois, muitos alcançam 100 sc/ha e, se esses conseguem ter lucro com trigo, é porque temos tecnologia para isso. O que precisamos fazer é que todos tenham o mesmo resultado, e isso se faz através da difusão da informação, em eventos como os que aconteceram nesta semana”, comentou.


Pesquisas

O trabalho da equipe de trigo, aveia e oleaginosas, intitulado “Cultivos Outonais Antecedendo Trigo e Soja”, foi escolhido como destaque na subcomissão de “Ecologia, Fisiologia e Práticas Culturais”. O objetivo do trabalho foi avaliar a contribuição de culturas outonais no rendimento de matéria seca para proteção do solo – em período do ano em que, na região de atuação da Agrária, geralmente os solos estão descobertos, sujeitos aos efeitos da erosão –, bem como no rendimento de grãos de trigo e soja como culturas sucessoras. “Os resultados basearam-se em informações agronômicas e financeiras, comparando-se os cultivos outonais com o pousio. Demonstrou-se que os cultivos outonais protegem o solo durante o outono contra a erosão, colocam raízes no perfil do solo, promovem a reciclagem de nutrientes e reduzem o custo de manejo de plantas daninhas”, explicou Juliano.

Já a pesquisa da equipe de entomologia, sob o título “Nível de dano de Dichelops melacanthus (Hemiptera: Pentatomidae) na fase inicial da cultura do trigo”, foi destaque da subcomissão de entomologia. Segundo Alfred, a pesquisa resultou da edição anterior da Reunião Nacional de Trigo, quando se definiu como prioridade a geração de informações sobre percevejos em trigo. O objetivo foi determinar o nível populacional do percevejo que causa dano na fase inicial da cultura do trigo, de maneira a determinar o momento ideal de controle da praga. “Os resultados basearam-se em informações financeiras, levando em consideração o dano causado pelo inseto, preço de venda do trigo e custos de controle. Essas informações foram importantes no estabelecimento de critérios de controle dessa praga para a região tritícola 1 (que compreende boa parte dos municípios da área de atuação da Agrária), que até então não tinham sido estabelecidos, e farão parte do documento Informações Técnicas para Trigo e Triticale – safra 2020, publicado pela Embrapa Trigo”, concluiu Alfred.


Outros trabalhos

Além dos dois da FAPA, foram selecionados os seguintes trabalhos como os melhores de suas respectivas subcomissões: Método para avaliar a germinação pré-colheita em genótipos de trigo, de Eliana Maria Guarienti (Embrapa Trigo); Nova raça de ferrugem da folha do trigo identificado na safra 2018, de Camila Turra (OR Sementes); Curva de absorção de Nitrogênio para a cultura do trigo, do engenheiro agrônomo Maicon Andreo Drum; e Trigo exportação: alternativa para sustentabilidade da cultura do trigo no RS, de João Leonardo Fernandes Pires (Embrapa Trigo).


Com informações da Assessoria de Imprensa da Biotrigo.

Crédito fotos: Divulgação 13ª RBPTT


Agraria Cooperativa Agrária Agroindustrial (42) 3625-8000 saca@agraria.com.br